Monday, April 4, 2011

Pensamentos após documentário brasileiro

Domingo a noite assistimos a um documentário intitulado Wasteland, acho que no Brasil saiu com o nome de "Lixo extraordinário". Conta a estória dos catadores de lixo do maior aterro sanitário do mundo Jardim Gramacho. Muito bonitinho em termos de mostrar esse povo ao mundo, da questão de fazer arte com lixo, etc e talz. O documentário começou a me incomodar quando eles levam o presidente da Assoc. de Catadores de Lixo pra Londres pra um leilão de uma obra feita no lixo. A obra é vendida por alguns milhares de libras e o dinheiro revertido pra ajudar a melhorar as condiçoes desses catadores. A Karen achou bacana, e eu como sempre olhei de cara torta pra isso. Existe uma frase do E. Galeano que mais ou menos descreve a minha visão política disso tudo:

"Eu não acredito em caridade. Eu acredito em solidariedade. Caridade é tão vertical: vai de cima para baixo. Solidariedade é horizontal: respeita a outra pessoa e aprende com o outro. A maioria de nós tem muito o que aprender com as outras pessoas."

Será que a resposta pra essas questoes sociais é dar a "casa do Gugu" pra um sujeito que ganha um salário de miséria? Ou o "caminhão do Faustão" pra o outro que não tem os dentes da frente?

Sinceramente, se me perguntam qual a minha ideologia política, eu diria que eu só sei o que eu nao sou. Não posso concordar com esse sistema que deixa marcas muito mais explícitas em países como o Brasil, mais especificamente falando no Rio de Janeiro, mais ainda especificamente falando no Jardim Gramacho. Que a justiça seja feita pra essas pessoas. Que melhores governos venham por aí. E que o mundo seja mais igual!

1 comment:

Everton said...

Melhores palavras nao poderiam ser ditas.
Infeliz aquele que pensa que poderá com dinheiro ajudar quem de verdade necesita de uma base educacional desde o 0, quem vem de clases economicas inferiores quase sempre tem muito mais experiencia de vida que pessoas que nasceram ricas, crescem aprendendo a fazer dinheiro e nao sabem nada de como fazer um sentimento e fazem esse tipo de coisa para liberar deles mesmos o sentimento de talvez "culpa" de ser economicamente superior mas moralmente ele é mais lixo do que o que é usado para fazer a obra de arte que ele comprou.